Calibração de Instrumentos como “Fator Preventivo”

A falta de prevenção é hoje responsável por grandes prejuízos tanto na indústria quanto no comércio não apenas do Brasil, mas em todo o mundo. Para muitos gestores, o pensamento de que a prevenção é um gasto e não um investimento tem causado danos econômicos e físicos, além da perda de recursos humanos nos casos mais graves. A correta calibração de instrumentos, no entanto, pode minimizar ou mesmo evitar esses danos. Veja porque a calibração de instrumentos é um fator preventivo.

 

Calibração de instrumentos como fator preventivo: uma questão de racionalização

A racionalização dos processos de produção e avaliação é uma conquista do mundo moderno, garantindo maior exatidão no trabalho. Para isso, foram criadas grandezas que avaliassem vetores como distâncias, velocidade, pressão etc.

Para que possam ser eficientes, entretanto, elas precisam de instrumentos de medição bem calibrados, que evitem distorções e garantam economia e padrão de qualidade.

A  importância da calibração adequada, no entanto, extrapola os padrões de qualidade para o consumidor, tornando-se um fator preventivo contra prejuízos em todas as escalas.

Os erros de medição associados à falta de calibração podem ser responsáveis por mal funcionamento de equipamentos, perda ou desperdício de matéria-prima, má qualidade do produto e consequente perda de competitividade da empresa, vazamentos e explosões que colocam em risco tanto o patrimônio físico quanto a vida dos colaboradores, retrabalho desnecessário, períodos ociosos na produção, substituição de funcionários e pagamento de indenizações, entre outros.

A calibração como fator preventivo, portanto, faz parte de uma política de adoção de procedimentos de ofício seguro, da racionalização da sua força de trabalho. O descaso com a prevenção pode gerar danos irreparáveis, que por sua vez podem causar até a falência da empresa dependendo da dimensão do ocorrido.

 

 

Evite perdas financeiras em todas as áreas da sua empresa

Negligenciar a importância da calibração de instrumentos como fator preventivo é delegar a segundo plano a própria empresa. A prevenção pode e deve, portanto, se reportar a vários domínios – ainda que, na verdade, todos agreguem o lado econômico.

Na área da segurança no trabalho, por exemplo, a calibração de instrumentos como fator preventivo pode evitar o uso inadequado de diversos equipamentos de pressão.

Mal regulados, podem ter vazamentos que acarretam em desperdício de materiais, gerando prejuízo financeiro com a compra de material extra, ou provocam doenças, intoxicações, alergias, queimaduras etc nos funcionários – o que gera prejuízo financeiro com o afastamento por licença médica, reposição de pessoal humano e indenizações por ações na Justiça.

Estes equipamentos podem ainda explodir, causando perdas humanas, que geram indenizações (prejuízo financeiro), mas também danificar ou destruir instalações inteiras, dependendo da gravidade do ocorrido. Mais uma vez o prejuízo financeiro é certo.

Por outro lado, a calibração correta de instrumentos pode evitar o desgaste das máquinas, o que reduz sua vida útil ou aumenta a constância de manutenção, troca de peças e substituição do equipamento. Tanto esses fatores quanto o tempo de ociosidade enquanto uma máquina está na oficina também geram prejuízo financeiro.

 

Calibração como prevenção x sustentabilidade da empresa

Ao passo que vários gestores consideram uma “economia” a negligência na calibração de instrumentos como forma de prevenção, eles podem estar assinando o óbito da sustentabilidade da empresa a médio ou curto prazo.

Produtos mal acabados, fora dos padrões de qualidade, atrasos na entrega, erros de medição para mais ou para menos e materiais fora das especificações prejudicam a imagem da marca no mercado consumidor, seja para fornecedores ou consumidores finais.

Cada vez mais se têm ciência em todo o mundo de que a sustentabilidade de qualquer empresa passa necessária e diretamente pelo controle de qualidade. A grande competitividade atual, incentivada cada vez mais pela globalização faz com que o cliente migre para a concorrência. A perda da sua credibilidade diante do mercado consumidor, portanto, tem como consequência inevitável a falta de sustentabilidade.

Muito mais lógico, prático e econômico adotar a calibração de instrumentos de medição como fator preventivo, consolidando sua marca e gerando mais segurança entre seus funcionários.

 

Quer saber mais sobre a calibração de instrumentos industriais como fator preventivo? Acompanhe os posts da Normatec, compartilhe conosco suas dúvidas e entre em contato com um dos nossos funcionários para adotar a calibração dos equipamentos da sua empresa!

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *